Senador dos EUA defende que Bitcoin deve ser superado pelo dólar digital

Senador dos EUA defende que Bitcoin deve ser superado pelo dólar digital

O Senado dos EUA realizou uma audiência sobre criptomoedas e dólar digital na terça-feira, 30 de junho. E o que vimos foi uma divisão de opiniões entre os 25 senadores membros do comitê.

O painel ouviu membros gabaritados da comunidade cripto norte-americana. O CEO da Paxos, Charles Cascarilla, e a professora de Duke Law, Nakita Cuttino, foram convidados como especialistas.

Já o ex-presidente da Comissão de Negociação de Futuros e Commodities (CFTC), Christopher Giancarlo, foi como um árduo defensor do dólar digital.

Por um lado, nem todos estão de acordo com a ideia de uma moeda digital do banco central (CBDC) ou dólar digital. Por outro, ninguém rejeitou explicitamente a ideia.

Ademais, apenas 8 dos 25 senadores presentes fizeram questionamentos aos convidados.

Dólar digital melhor que Bitcoin e yuan

Ainda assim, a audiência ocorreu em um tom amistoso. Foi um contraste em relação às audiências com Mark Zuckerberg e representantes do Facebook no ano passado.

Em vez de preocupações com segurança e privacidade, o tom aqui foi de esclarecimentos.

Os legisladores presentes fizeram perguntas sobre inclusão financeira e digitalização. Eles questionaram quais regulamentos ou leis poderiam tornar a digitalização do dólar mais fácil e mais acessível às pessoas que não possuem contas bancárias.

Entre os presentes, o senador Tom Cotton (Arkansas) foi um dos mais enfáticos. Ele não apenas apoiou a criação de um dólar digital, como também ressaltou que ele deve ser melhor que o Bitcoin e o yuan digital.

A China, aliás, está muito à frente dos EUA nesse aspecto.

“Os EUA precisam de um dólar digital. O dólar americano precisa continuar conquistando esse lugar no sistema global de pagamentos. Tem que ser melhor que Bitcoin, tem que ser melhor que um yuan digital”, enfatizou Cotton.

David Marcus, cofundador da Libra, já havia emitido opinião semelhante. Em 2019, Marcus falou ao Senado e alertou que uma proibição da Libra poderia significar uma vitória da China na corrida pela moeda digital.

“Os EUA correm o risco ter uma parte do mundo completamente livre e protegida contra as sanções dos EUA e ter uma nova moeda de reserva mundial”, alertou.

Principais declarações

Além de Cotton, outros senadores também se manifestaram na audiência.

O senador Mike Crapo (Idaho) observou que alguns sistemas financeiros tradicionais podem ser limitados quanto à sua acessibilidade, citando a necessidade de contas bancárias pré-existentes.

As soluções da Fintech, como as stablecoins, podem fornecer uma alternativa a esse sistema.

Sherrod Brown (Ohio) alertou para o risco dessa tecnologia estar nas mãos de grandes empresas. Ele apontou para serviços de compartilhamento de viagens e mídia social.

“Prometeram construir um país mais justo e igualitário. Mas, ao invés disso, as empresas essencialmente encontraram maneiras de se pagar”, afirmou.

Christopher Giancarlo ressaltou que a atual arquitetura de pagamento baseada em contas em uso hoje é “lenta e excludente”.

Embora uma arquitetura baseada em tokens não seja uma “bala de prata”, ela pode ajudar a fornecer acesso mais amplo ao sistema financeiro.

Cascarilla disse que uma estrutura federal para regulamentar as empresas de criptoativos pode ser benéfica, embora ele tenha observado que sua empresa opera em todo o país.

A Paxos opera sob o estatuto de confiança de finalidade limitada do Departamento de Serviços Financeiros de Nova York (NYDFS).

Leia também: CVM proíbe atuação de mais uma empresa de Forex no Brasil

Leia também: Bitcoin foi menos impactado por coronavírus do que grandes bolsas, afirma especialista

Leia também: WhatsApp e Cielo podem retomar a parceria, reconsidera o CADE

Forex Crypto News: Cripto Facil