Rafael Ferri é absolvido pela CVM em processo de atuação irregular

Rafael Ferri é absolvido pela CVM em processo de atuação irregular

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) julgou o influenciador e investidor Rafael Ferri em um processo que analisava uma suposta atuação irregular de administração de carteiras.

No caso em questão, Ferri e seu sócio na época do início do processo, Eduardo Vargas Haas, foram absolvidos pela CVM.

A decisão foi unânime.

A acusação

O processo contra Ferri e Haas teve início em 2007, quando a CVM instaurou um inquérito para apurar a atuação deles enquanto sócios da TBCS Agentes Autônomos de Investimentos.

A acusação apontou que, entre 2007 e 2008, Ferri e Haas realizaram atividades de administração de carteiras de valores mobiliários.

Isso ficou claro, segundo a área técnica, porque os investidores só tomavam conhecimento das operações quando já tinham sido realizadas.

Além disso, a atuação ocorreu mediante remuneração e de forma habitual. Supostamente, havia uma prestação de contas aos investidores.

“Considerando a ausência de autorização dos Acusados para o exercício da atividade de administração de carteira de valores mobiliários e o fato de atuarem como agentes autônomos de investimento, a Acusação imputou a ambos responsabilidade por infração ao disposto no art. 16, inciso IV, “b”, da Instrução CVM nº 434/2006, combinado com o art. 23 da Lei nº 6.385/1976”. 

O que disse a defesa?

Em sua defesa, Ferri alegou que não geria a carteira do investidor em questão e refutou as provas da acusação.

Ele ainda disse que havia estabelecido com o investidor uma “estratégia de negociação”. Por isso, trocou e-mails com ele para saber se deveria seguir a estratégia combinada.

Por fim, Rafael Ferri admitiu que realizava recomendações de investimentos. Entretanto, destacou que isso demonstrava que não geria a carteira de seu cliente – já que, se pudesse tomar decisões, não precisaria fazer sugestões. 

Haas, por sua vez, também alegou não ter realizado a atividade de administração de carteira. Ele disse que nenhuma ordem foi passada sem o consentimento do investidor. 

Ele sustentou, ainda, que a acusação não conseguiu demonstrar que ele tenha recebido recursos financeiros do investidor.

Ou seja, um dos elementos necessários para caracterizar administração de carteira não foi comprovado.

A decisão

A relatora do caso, a diretora Flávia Perlingeiro, entendeu que a acusação:

“Não conseguiu reunir um conjunto robusto de mensagens ou outras evidências no sentido de que decisões de investimento e desinvestimento eram tomadas de forma reiterada ou, ao menos, que tenham ocorrido com alguma habitualidade”.

Desta forma, Ferri e Haas foram absolvidos.

Leia também: Bancos podem fechar contas de exchange sem motivo, diz Banco Central

Leia também: Países podem começar a estimular mineração e acúmulo estatal de Bitcoin

Leia também: Criptomoeda oferece dinheiro para quem cumpre desafios na vida real

Forex Crypto News: Cripto Facil