O guia de bolso do caçador de rendimentos na #DeFi

O guia de bolso do caçador de rendimentos na #DeFi

Este é um guia objetivo pra te ajudar a navegar os riscos e retornos oferecidos em #DeFi, na Ethereum.

Mercados autônomos na Ethereum têm incentivado a provisão de liquidez por participantes individuais através da distribuição de um token. O esquema é chamado de liquidity mining.

Se você ainda não leu o guia introdutório à #DeFi da Paradigma [PRO], comece por ele. A parte 1 está aqui. A parte 2, aqui.

Você coloca liquidez num mercado (de trocas entre tokens, ou de crédito) e recebe tokens nativos desse mercado — que representam uma opção sobre cashflows futuros capturados por ele.

Imagem por James Waugh
Imagem por James Waugh

Os mercados tem sido generosos ao precificar esses tokens de #DeFi, o que se traduz em yields suculentos para provedores de liquidez.

As regras pelas quais cada programa aloca os tokens — privilegiando, por exemplo, certos tipos de colateral em detrimento de outros — significa que a estratégia ótima para se tirar proveito dos retornos proporcionados por esse fenômeno envolve “rotacionar” capital (entre protocolos, atrás do melhor yield; e entre ativos usados como colateral, atrás das melhores taxas).

Fontes de Liquidity Mining em #DeFi

Via de regra, quanto maior o percentual da oferta total do token estiver sendo alocado via liquidity mining, mais “pura” nos parece a distribuição.

Ativas:

  • Synthetix — SNX — 100M de oferta total, 5% sendo/já foram distribuídos via liquidity mining. A Synthetix constantemente anuncia novos programas pontuais pelos quais distribui SNX como incentivo a provedores de liquidez em pools ou ferramentas específicas. Curve e Idle.
  • Compound — COMP — 10M tokens no total, ~42% distribuídos via liquidity mining, desde 15 de junho.
  • BalancerBAL — 100M tokens no total, 75% distribuídos via liquidity mining, desde 1 de junho. Também distribuído em algumas pools externas, em programas pontuais.
  • CurveCRV— 1B tokens no total, 33% distribuídos inicialmente, via liquidity mining retroativo para quem provê liquidez na Curve desde janeiro de 2020.
  • mStable — MTA — 100M tokens no total, 20% da oferta sendo distribuída para quem injetar DAI, USCD, USDT ou TUSD na interface da mStable.
  • Ampleforth — AMPL — oferta flutuante, 25M tokens sendo distribuídos para quem provê liquidez no par ETH/AMPL na Uniswap e fizer stake do token resultante na aplicação Geyser.
  • Gnosis — GNO — 10M tokens no total, ~0.01% da oferta sendo distribuídos até 17 de julho num programa pontual.

Checando retornos estimados para depósitos em DAI, em diferentes protocolos, pela interface da Idle.
Checando retornos estimados para depósitos em DAI, em diferentes protocolos, pela interface da Idle.

Custos

A seguir apresentamos estimativas “de guardanapo” pra te guiar e ajudar a ponderar os custos de se participar de programas de liquidity mining.

Prover liquidez a um mercado na Ethereum tipicamente envolve 2–5 transações (veja, por exemplo, este tutorial da Balancer), e, em tempos de alta demanda pela rede, os custos podem inviabilizar operações pequenas.

Interessado nos custos médios de operações típicas na #DeFi, assim como nossa “caixa de ferramentas” recomendadas, e uma análise dos riscos comparativos entre protocolos? 👇

➡ Leia a versão completa deste relatório na Paradigma Pro.

Leia também: Um arbitrador bilionário tentou sequestrar a #DeFi… veja no que deu

Leia também: Bateria Virtual: o caso de uso mais óbvio do Bitcoin em escala industrial

Leia também: Relatório contesta teoria popular sobre a Grayscale e preços do Bitcoin

Forex Crypto News: Cripto Facil