Ganhador do Prêmio Nobel está por trás da criptomoeda concorrente da Libra

Com um conselho consultivo que inclui grandes economistas como Myron Scholes, vencedor do Prêmio Nobel, a empresa britânica Saga espera introduzir uma criptomoeda global que os reguladores considerem agradável e que vem para competir com a Libra do Facebook.

A empresa lançou nesta terça-feira, 10 de dezembro, seu token Saga (SGA), uma stablecoin (moeda virtual vinculada a uma cesta de moedas para manter um valor estável). Isso não é muito diferente da Libra do Facebook, que foi recebida com uma enxurrada de oposição regulatória após seu anúncio, mas uma coisa importante que o diferencia desse projeto é o que Saga baseia no valor da moeda.

Em vez de criar uma nova cesta de ativos como a Libra, a Saga está atrelando o valor do seu token a depósitos bancários no mesmo grupo de moedas que formam os direitos de saque especiais (SDR) do Fundo Monetário Internacional – esses são ativos de reserva internacional mantidos pelos bancos centrais para complementar seus reservas oficiais. A cesta é fortemente ponderada em dólares, bem como o euro, o yuan chinês, o iene japonês e a libra esterlina.

Outra distinção com a Libra é o fato da Saga não lucrar com isso. Ele atua apenas como um emissor do token, em vez de criar sua própria carteira digital para que os usuários a armazenem e troquem como o Facebook está fazendo com a Calibra. Os tokens da SGA estarão inicialmente disponíveis para compra no site da Saga e estão sendo listados na bolsa de criptomoedas Liquid. Em uma entrevista ao CNBC, o fundador da Saga, Ido Sadeh Man, afirmou que:

“Ao contrário de outros competidores, não queremos ser o emissor, a camada de pagamentos e o custodiante. Estamos focando na parte monetária, na emissão de uma moeda sólida para uso global, e cada vez mais estabeleceremos uma parceria com parcerias nos domínios da custódia e dos pagamentos”.

Assim como a Libra, o SGA apresenta as características básicas de uma stablecoin, que busca evitar a volatilidade de criptomoedas como o Bitcoin. A Saga diz que pode estabilizar o valor do SGA com contratos inteligentes – contratos de execução automática na blockchain que são usados ​​para ajustar a oferta de dinheiro para atender à demanda.

Quanto à forma como será usado, Sadeh Man afirmou que o objetivo é que o SGA sirva como uma “moeda complementar para pagamentos transfronteiriços”. Ele deu o exemplo de consumidores britânicos que desejam usá-la para pagar por coisas na Amazon se a libra flutua em reação às notícias relacionadas ao Brexit.

“É aqui que vemos a saga se encaixando como uma moeda global”.

Além de Scholes, ganhador do Nobel, a Saga também conta com consultores como Jacob Frenkel, o presidente cessante dos negócios internacionais do J.P. Morgan, e Dan Galai, pioneiro no índice de volatilidade VIX.

“Eu e a equipe técnica principal, sendo especialistas em tecnologia, percebemos desde o início que não podemos fazer isso sozinhos”, disse Sadeh Man. “Ainda precisamos ter especialistas em políticas.”

Conformidade no nível bancário

Há um certo ceticismo para projetos nascentes de blockchain como o Saga. Em 2017, os investidores compraram novas criptomoedas geradas por meio das chamadas ofertas iniciais de moedas (ICO), uma prática de captação de recursos que deu origem a vários golpes. Isso, por sua vez, deixou os reguladores são mais cautelosos do que nunca quando se trata do espaço das criptomoedas, dada a sua associação com atividades ilícitas.

A Saga diz que sua oferta é diferente, pois abrange “conformidade bancária”, com cheques anti-lavagem de dinheiro que garantem que as pessoas que fazem transações com o token não sejam anônimas. Isso é diferente do bitcoin, onde os usuários são identificáveis ​​apenas por um endereço alfanumérico. E uma fonte importante de preocupação para os reguladores em relação à libra tem sido seu uso potencial em transações ilegais.

Ele também afirma que seu modelo fornece uma alternativa “democrática” à libra, que está sendo supervisionada por um consórcio de 21 empresas. No caso de Saga, “os detentores são os soberanos da moeda”, de acordo com Sadeh Man, acrescentando que esses detentores poderão votar no conselho de administração da Saga e orientar sua política monetária. Ele disse que concorda com o CEO da Apple, Tim Cook, de que empresas como o Facebook não deveriam controlar uma moeda.

Embora seja uma organização sem fins lucrativos, o empreendimento é apoiado por investidores, incluindo o Lightspeed Venture Partners e o Mangrove Capital Partners. Mas a empresa diz que esses investidores não obtiveram capital em troca de seus investimentos – em vez disso, receberam a “gênese” da Saga, ou SGM, tokens que podem ser convertidos em SGA assim que o último for lançado.

No entanto, há um problema flagrante com os tokens de Saga – eles não são regulamentados e, portanto, não serão lançados nos EUA.

“Por enquanto, é uma área em que não queremos estar”, disse Sadeh Man, acrescentando “nós só queremos operar onde estiver claro que estamos respeitando a conformidade.”

Ele, no entanto, espera que o quadro regulatório dos EUA pareça mais claro no futuro.

Leia também: União Europeia desconsidera adotar a Libra e stablecoins semelhantes

Forex Crypto News: Cripto Facil