Um funcionário de uma startup francesa foi demitido e agora é acusado de ter roubado 182 Bitcoins como vingança. O valor foi supostamente roubado de seus próprios ex-colegas de trabalho. A identidade do funcionário “ladrão” ainda não foi revelada, contudo, ele já vem respondendo judicialmente por acusações de roubo, lavagem de dinheiro e acesso fraudulento a sistemas de processamento de dados, informou o jornal local Le Parisien.

O Centro de Combate ao Crime Digital (C3N) está cuidando da investigação do caso e a promotoria de Paris pede que ele seja preso preventivamente. Segundo os relatos, o executivo demitido teria ajudado na fundação da startup, contudo, foi demitido três anos depois após um violento conflito com os outros líderes. Chateado, o empresário deixou a França e se instalou em um país vizinho, buscando novas perspectivas profissionais.

Porém, longe da sua ex-empresa, ele iniciou uma série de ataques, drenando aos poucos os recursos da startup, de modo a nunca acionar o “limite de alerta” (uma espécie de “limite” de saque de Bitcoin que, quando ultrapassado, ascende o alerta de segurança na startup).

O empresário de 30 anos foi preso em Ouistreham (Calvados) em 20 de dezembro. Sob custódia policial no centro de combate ao crime digital, ele admite ter roubado seus antigos amigos “por vingança” em retaliação por sua demissão. Seu computador e as chaves do computador foram apreendidos. Parte dos fundos foi transferida para a agência para o gerenciamento e recuperação de ativos apreendidos e confiscados (Agracs).

Leia também: Empresário venezuelano é preso em Manaus acusado de aplicar golpes com Bitcoin