Exchange brasileira tem conta encerrada pela Caixa Econômica Federal

Exchange brasileira tem conta encerrada pela Caixa Econômica Federal

A exchange de criptomoedas CryptoMarket compartilhou com o CriptoFácil nesta sexta-feira, dia 3 de julho, um comunicado oficial sobre o encerramento de sua conta bancária por parte da Caixa Econômica Federal.

No comunicado, a exchange explica que recebeu “com surpresa”, no início de junho deste ano, um ofício da CEF informando sobre o encerramento de sua conta bancária em 15 dias úteis.

No entanto, a exchange conta que ficou ainda mais surpresa ao tentar acessar a conta bancária no dia seguinte e se deparar com a conta encerrada e o saldo bloqueado.

Segundo a empresa, foram de três anos de relacionamento comercial, em que a exchange possuía conta corrente e outros produtos financeiros contratados.

Além disso, as medidas foram tomadas sem o conhecimento por parte da CryptoMarket, como informa o comunicado. Por conta disso, para a exchange trata-se de uma atitude abusiva e contrária às normas aplicáveis.

“CryptoMarket é uma empresa com atividades lícitas no Brasil. Além de cumprir com todos os requisitos legais para seu funcionamento, ainda possui licença internacional para funcionar como Exchange e Custódia de Criptomoedas”, enfatiza o comunicado.

Decisões são provisórias

Entretanto, como observou a empresa, o processo ainda está em fase inicial. Portanto, as decisões têm caráter provisório e representam uma análise preliminar. Além disso, ainda cabe recurso.

“Tivemos uma experiência similar na nossa filial no Chile, onde o Tribunal decidiu a nosso favor e os bancos foram obrigados a reabrir as nossas contas bancárias. Esperamos que no Brasil também haja uma decisão favorável, considerando todos os fatos”, disse a diretora global da CryptoMarket, Denise Valdivia.

Embora afirme ainda estar analisando o impacto causado à empresa pela decisão, a diretora garante que a exchange seguirá na luta para que qualquer cidadão tenha acesso ao sistema financeiro.

A CryptoMarket também pontuou que já adotou medidas judiciais para preservar seus direitos e, internamente, já agiu para que os usuários não sejam impactados diretamente.

“Pois nosso compromisso é sempre proporcionar a melhor experiência”, destacou a exchange.

Leia também: G44 compra carro de luxo de R$ 600 mil mesmo devendo 10 mil clientes

Leia também: CVM proíbe atuação de mais uma empresa de Forex no Brasil

Leia também: Presidente do Banco Central cria condições para liberar o WhatsApp Pay

Forex Crypto News: Cripto Facil