EUA discute sobre dólar digital nesta terça-feira

EUA discute sobre dólar digital nesta terça-feira

O Comitê de Bancos, Habitação e Assuntos Urbanos do Senado dos EUA realizará uma audiência sobre “A digitalização de dinheiro e pagamentos” nesta terça-feira, 30 de junho. No entanto, poucos detalhes sobre o tema da reunião foram divulgados. O evento será realizado às 11h00, horário de Brasília.

Também foi divulgada a lista de convidados. Entre eles estão o ex-presidente da Comissão de Negociação de Futuros de Mercadorias (CFTC) J. Christopher Giancarlo, o co-fundador e CEO da Paxos, Charles Cascarilla, e o professor visitante de Direito da Universidade Duke, Nakita Cuttino. Portanto, sugere que o assunto seja moedas digitais e stablecoins do banco central.

Além disso, questões de inclusão financeira e a melhor forma de enviar auxílios aos residentes dos EUA de maneira rápida e eficiente. Em outras reuniões, a discussão sobre um “dólar digital” foi posta como alternativa para conseguir esses objetivos.

Preocupações com acesso ao sistema financeiro

Antes da audiência, os participantes enviaram comentários públicos com suas opiniões sobre os temas.

Cuttino disse que alguns residentes dos EUA podem gostar de sistemas bancários e de pagamento digitais. Ao mesmo tempo, destacou que “os americanos de baixa renda preferem desproporcionalmente fazer transações com caixas bancários”.

Por sua vez, Cascarilla abordou preocupações relacionadas à acessibilidade de serviços financeiros, observando que os bancos hoje têm horário e acessibilidade limitados.

“Consumidores e instituições são impedidos pela incapacidade de ter acesso oportuno a seus próprios fundos devido a atrasos na liquidação de transferências bancárias, transferências internacionais e outras atividades que podem levar mais de cinco dias para serem liquidadas. Isso dificulta o gerenciamento de outros pagamentos com qualquer tipo de previsibilidade”, destacou.

Ele defendeu que essa arquitetura deve ser atualizada para o século XXI. Cascarilla, assim como Christopher Giancarlo, também defendeu a proteção do dólar no futuro. E, com isso, a digitalização do dólar.

“O Projeto Dólar Digital acredita que a oportunidade está à mão não apenas para imaginar um ecossistema, mas para construí-lo com esses serviços para comunidades de baixa renda e com baixa renda como prioridades desde o início”, disse.

Sistema dos EUA apresenta dificuldades de acesso

No entanto, os sistemas digitais enfrentarão obstáculos nos EUA. Quase 1 em cada 5 norte-americanos não tem smartphones, enquanto quase 10% não têm acesso alternativo à Internet em suas casas. Isso pode ser um fato que limite o alcance de um dólar digital.

Cuttino também levantou questões sobre os modelos de negócios para moedas digitais e stablecoins do banco central. Ele destacou especialmente a proteção aos dados dos usuários.

“Se os serviços são” gratuitos “, quais trocas alternativas os consumidores estão fazendo (por exemplo, dados do consumidor)? Os dados do consumidor estão sendo usados ​​para explorar as deficiências comportamentais em seu prejuízo? Além disso, as condições do consumidor são aprimoradas com a mudança para a nova solução? Por fim, as soluções das fintech não devem apenas mover a maioria dos americanos do mercado financeiro marginal para uma economia digital marginal”, diz Cuttino.

A audiência pode ser vista no site oficial do Senado.

Leia também: Maior mineradora de ouro do mundo realiza primeira venda em blockchain

Leia também: Mercado Bitcoin bloqueia R$ 129 mil de cliente que supostamente fraudou o Santander

Leia também: Bitcoin volta aos R$ 49.000 com queda do dólar; Stellar valoriza 3%

Forex Crypto News: Cripto Facil