Especialista explica como ajuste de dificuldade impacta no preço do Bitcoin

Especialista explica como ajuste de dificuldade impacta no preço do Bitcoin

O Bitcoin passou por um ajuste de dificuldade nesta quinta-feira, 04 de junho. Desta forma, a dificuldade para minerar BTC teve uma mudança.

Realizado a cada duas semanas, o ajuste é fundamental para a blockchain do Bitcoin. Contudo, teria ela força para impactar no preço do criptoativo?

O CriptoFácil conversou com Felipe Escudero, trader e apresentador do canal BitNada, para entender melhor o impacto do ajuste no preço do BTC.

Dificuldade de mineração impacta o preço?

Recentemente, o analista Ki Young Ju afirmou que um pool de mineração estava por trás da dura queda do Bitcoin.

Segundo ele, a ineficiência na mineração fez com que mineradores vendessem Bitcoins a US$ 10 mil. Isso criou uma rápida pressão de compra, que fez o valor do BTC despencar rapidamente.

Em outras palavras, uma ação de mineradores impactou o preço do BTC.

Seguindo essa linha, é seguro dizer que um ajuste na dificuldade de mineração é suficiente para impactar o preço?

Impacto indireto no preço

Felipe Escudero é trader e apresentador do canal BitNada. O CriptoFácil conversou com Escudero para entender o impacto que o ajuste de dificuldade da mineração tem no preço do Bitcoin.

Segundo Escudero, o impacto é indireto, tendo ele explicado:

“O ajuste da dificuldade não impacta diretamente na cotação do Bitcoin, mas sim indiretamente.

Quanto maior for a dificuldade, mais força computacional é necessária pra minerar um bloco. Consequentemente, mais caro fica o custo de uma unidade Bitcoin.

Dessa forma, quando a dificuldade é aumentada, o custo de aquisição através da mineração também é. Logo, temos mineradores necessitando vende-los por um preço maior que tiveram de custo.”

Resumindo, Escudero quer dizer que o aumento no custo de dificuldade causa um aumento no custo de mineração. Por sua vez, o aumento no custo de mineração impacta no valor que o Bitcoin deve chegar para que mineradores lucrem e mantenham suas operações.

Ele completa:

“Se, por acaso, a cotação atual for muito abaixo do custo unitário, o minerador tem duas escolhas: vende com prejuízo ou desliga suas máquinas. Se muitos desligarem suas máquinas, a dificuldade cai e o custo de aquisição versus preço de venda acabam se equilibrando.

Então, indiretamente, a dificuldade da mineração impacta o preço do Bitcoin. Não é o fator predominante, mas tem seu impacto na cotação.”

Mais uma vez sintetizando, Escudero quer dizer que o ajuste de dificuldade impacta na cotação, embora não seja um fator que muda totalmente a trajetória do criptoativo.

Voltando ao exemplo do analista, a venda em US$ 10 mil se deu para cobrir custos, temendo o cenário de duas escolhas mencionado por Escudero.

Desta forma, o ajuste de dificuldade na mineração é suficiente para impactar o mercado de criptoativos em um cenário de fragilidade, mas insuficiente para alterar significativamente em um cenário de robustez.

Leia também: Bitcoin pode quebrar recorde histórico de preço ainda em 2020, afirma Bloomberg

Leia também: Estabelecimentos em São Paulo têm sistemas invadidos por malware que exige resgate em Bitcoin

Leia também: Traders apontam “padrão Bart Simpson” na queda do Bitcoin

Forex Crypto News: Cripto Facil