Crimes usando criptomoedas caem 90% em 2020, aponta pesquisa

Crimes usando criptomoedas caem 90% em 2020, aponta pesquisa

A Chainalysis publicou um relatório sobre crimes com criptomoedas em 2020. Segundo a empresa, tais crimes tiveram uma queda significativa neste período.

Os crimes com criptomoedas corresponderam apenas a 0,34% do total de crimes digitais. Segundo o documento, a queda foi de quase 90% na comparação com 2019 — no qual representavam 2,1% do total.

Em termos de volume financeiro, a queda foi cerca de 50%. Em 2020, foram registrados US$ 10,0 bilhões (R$ 53 bilhões na cotação atual) em volume de transações.

Já em 2019, o valor foi de US$ 21,4 bilhões, o equivalente a R$ 86 bilhões na cotação da época — R$ 4,03 por dólar.

Combinação de crescimento e queda

Segundo a Chainalysis, existem pelo menos duas razões para a queda. A primeira foi o aumento da atividade econômica geral, que quase triplicou entre 2019 e 2020.

No entanto, a quantidade total de crimes relacionados à criptomoedas está caindo. Por conta disso, eles representam cada vez menos para o mercado.

A segunda razão foi a diminuição do tamanho dos golpes. Em 2019, ocorreram grandes esquemas, como o PlusToken, que arrecadou mais de US$ 2 bilhões de milhões de vítimas.

Por outro lado, os golpes em 2020 tiveram um alcance mais limitado. Isso fez com que a quantidade de valores roubados também diminuísse.

Dark web e ransomware tiveram crescimento

Os crimes na dark web foram um dos setores que tiveram crescimento. Eles responderam por US$ 1,7 bilhão em atividades, enquanto em 2019 o valor foi US$ 1,3 bilhão. Em reais, os valores correspondem a US$ 9 bilhões e 5,2 bilhões, respectivamente.

Porém, a Chainalysis destacou que o grande crime baseado em criptomoeda em 2020 foi o ransomware. Embora represente pouco em termos gerais, os ransomwares aumentaram 311% em relação a 2019.

No geral, eles são responsáveis por apenas 7% de todos os fundos recebidos por endereços criminosos. Em valores, correspondem a cerca de US$ 350 milhões, equivalente a R$ 1,8 bilhão na cotação atual.

Uma das razões apontadas para esse crescimento foi a pandemia de Covid-19. As medidas de restrição fizeram mais pessoas a trabalhar de casa.

Por sua vez, isso abriu novas vulnerabilidades a ataques de ransomware para muitas organizações. E, como relatou o CriptoFácil, algumas empresas afirmam que a tendência de aumento deve continuar em 2021.

Leia também: Trader transforma 0,19 BTC em 8 BTC e dá dicas para investidores

Leia também: Bitcoin é o ativo mais negociado do mercado financeiro, revela Bank of America

Leia também: Deribit abre contrato para apostar que Ethereum bate US$ 20 mil em 2021

Forex Crypto News: Cripto Facil