Cinco criptomoedas que ainda são lucrativas de minerar com CPU

A mineração, para a maioria das criptomoedas, é uma atividade com muitos recursos. A complexidade dos algoritmos também as tornam especialmente adequadas para a mineração em grande escala. Mas ainda existem projetos que estão apenas começando ou tomaram a decisão explícita de apoiar os mineradores de CPU.

Um processador, um voto

A mineração em CPU envolve o uso de computadores comuns e o princípio por trás dessa mineração é “um processador, um voto”, um mecanismo inicial de consenso proposto no whitepaper do Bitcoin por Satoshi Nakamoto. O princípio logo foi quebrado para o Bitcoin, embora ainda existam criptomoedas que visam a estratégia.

Pool de mineração ou mineração solo?

O consenso em 2020 é que a mineração solo estaria desatualizada, exceto nos estágios iniciais de novas moedas, ou naqueles em que o hashrate é extremamente baixo devido a falta de interesse. Mesmo se uma CPU for usada, a mineração solo, onde um computador compete pela recompensa inteira do bloco, pode ser inútil.

A razão para isso é que a mineração não garante recompensas, mas é um jogo de azar. Pode ser possível para um minerador solo encontrar um cabeçalho de bloco, mas esse pode ser um evento que nunca irá se repetir.

Entre no pool de mineração, que oferece uma chance percentual mais alta de ganhar uma recompensa em bloco. Um pool pode consistir em muitos tipos de mineradores, contribuindo com seu hashrate. Quando o pool é grande o suficiente, há uma chance maior de resolver um bloco. A recompensa é então distribuída proporcionalmente entre os participantes.

Mineração em pool significa que sua CPU receberá a chance de receber uma fração de uma recompensa de bloco, acumulando ao longo do tempo uma certa quantidade de criptomoedas. Resolver um bloco inteiro produzirá uma quantidade maior de moedas, mas acontecerá apenas com base em probabilidades astronômicas, especialmente para redes maduras.

Riscos e preocupações

Ainda é difícil estimar qual moeda vale a pena minerar. As calculadoras surgem constantemente, embora com um aviso de que as taxas favoráveis ​​propostas podem ser enganosas. Dedicar recursos a um projeto totalmente novo é sempre um tiro no escuro, e é possível que você possa explorar em vão, acumulando custos de eletricidade e desgastando o processador.

O risco de preço de mercado ainda é o maior fator na análise final. A capacidade de vender as moedas mineradas ou trocá-las por outro valor conclui a análise sobre se o processo de mineração de moedas foi lucrativo. As calculadoras de mineração geralmente calculam a lucratividade no momento da mineração.

No passado, as mineradoras alcançavam enormes ganhos com base na retenção de recompensas em blocos. O boom em todas as altcoins em 2017 permitiu que os mineradores de pequena escala liquidassem algumas das recompensas e acabassem com altos lucros.

Mas em 2020, a decisão de minerar através da CPU pode ser um jogo de centavos e dólares. Curiosamente, quanto mais hashrate é alocado, maior a chance de empate e execução de uma operação lucrativa. Para Monero, esse ponto de corte chega a cerca de 23 KH/s, o que teria que empregar pelo menos dois processadores poderosos, ou um punhado de processadores ociosos menos poderosos. Dependendo se a eletrônica barata está disponível gratuitamente, a operação pode gerar lucro com base nos preços da XMR em torno de US$ 40.

Quais criptomoedas valem a pena?

Desnecessário dizer que a Monero (XMR) seria a opção mais viável na mineração de CPU. Outras moedas que são relativamente “líquidas”, amplamente conhecidas e acessíveis à mineração de CPU, incluem Nerva (XNV), RavenCoin (RNV), Haven Protocol (XHV) e Webchain (WEB).

Monero (XMR)

Minerar XMR através de uma CPU é um esporte competitivo. A decisão por um hard fork no final de novembro mudou o XMR do algoritmo CryptoNight para o RandomX, desativando imediatamente as plataformas especializadas e as mineradoras de GPU.

A rede Monero se tornou altamente competitiva logo após o fork, pois aparentemente havia proprietários de processadores suficientes para aumentar o hashrate. Atualmente, a rede produz 1,3 GH/s, em uma escala de milhões acima da potência de um único processador. Isso significa aproximadamente uma chance em um milhão de resolver um bloco como um mineiro solo – uma proposição impraticável.

Mas a mineração de XRM a meros 23 KH/s pode render 11 XMR por ano – potencialmente um pouco mais com sorte, o que pode ser lucrativo em casos de eletricidade barata e eletrônicos de reposição, mas não vale o esforço de queimar aparelhos eletrônicos de consumo.

A principal vantagem reside na possibilidade de resolver mais blocos do que outros, ao mesmo tempo em que aposta em um aumento de preço. A mineração também fornece acesso direto às moedas XMR, que possuem um dos recursos de anonimato mais seguros. O XMR de mineração é, portanto, uma ferramenta totalmente anônima para adquirir ativos, o que significa que alguns mineradores podem optar por dar suporte à rede mesmo sem lucro financeiro, como uma ferramenta para mudar para ativos não rastreáveis ​​sem passar por exchanges.

A competição por mineradores XMR pode vir de operações em larga escala que dependem de várias configurações de CPU. Além disso, parte do XMR pode ser produzida por botnets, que podem usar recursos capturados do computador.

Nerva (XNV)

Nerva (XNV) é um projeto para aqueles que querem arriscar tudo e, possivelmente, minerar uma moeda “gigante adormecida”. O XNV apareceu em 2018 e existe com o objetivo de permanecer altamente descentralizado.

O XNV tenta impedir 51% de ataques, não permitindo que o hashrate seja unido em pools. Isso significa que não há ferramenta para unir o hashrate e resolver os blocos, pois cada processador compete contra outros por seu próprio mérito. A limitação é definida no nível do protocolo e significa que a Nerva nunca verá a mineração em escala industrial. Mesmo colocar dois processadores pode ser mais improdutivo, pois isso apenas faria os dois competirem entre si.

Assim, a moeda permaneceu no estágio de mineração solo ao longo de sua história.

“#51% dos ataques se tornarão comuns no futuro e lentamente se tornarão a norma – Nerva é a única #criptomoeda que impede esses ataques! Sem #pools, sem #Asics, sem #GPUs – somente mineração de #CPU! #Descentralização pura no nível inferior de #pow.

$ XNV vs $ LIBRA #Bakkt #crypto”

A moeda é minerável da maneira antiga, baixando a carteira oficial. O protocolo Nerva permite selecionar o número de núcleos a serem alocados ao processo de hash, e o hashrate varia constantemente. O Nerva é adaptável ao CryptoNight, ideal para usar os processadores usuais. No entanto, a moeda, negociada em torno de US$ 0,01, ainda aguarda seu tempo para se tornar um ativo lucrativo. O XNV é ideal para mineração amadora e especulativa, acumulando algumas moedas para possíveis ganhos futuros.

Nerva está relativamente inativa nas mídias sociais nos últimos meses e a venda do ativo não está disponível imediatamente para os participantes da rede. Alocar algum tempo para essa moeda é uma aposta no potencial de obter lucros com o mercado bastante ilíquido. No entanto, a mineração XNV pode ser considerada “lucrativa”, pois pode gerar mais moedas e é menos arriscada do que ficar exposta a uma troca e comprar esses ativos.

Ravecoin (RVN)

A RavenCoin está entre os projetos mais importantes que combinam mineração com uma plataforma de tokenização. A maior vantagem da RVN é sua liquidez e representação relativamente altas em exchanges, incluindo a Binance.

A rede Ravencoin possui um hashrate de 12,57 TH/s, que pode ser passível de pool de mineração e participação da CPU. Isso exigirá a produção de hash X16R, que é uma alternância entre 16 algoritmos diferentes, passíveis de uma CPU.

A RVN se torna lucrativa em torno de 90 MH/s, uma taxa bastante alta para um único minerador, exigindo vários processadores. Participar de um pool pode levar a algumas recompensas, se os preços com eletricidade forem baixos. O RVN apresenta o desafio de tornar possível a mineração por CPU, mas também a necessidade de competir com um número desconhecido de ASIC que também tenta resolver os blocos.

Com o RVN, a mineração de CPU também exigiria investimentos significativos. A recompensa de 5.000 RVN a cada minuto é distribuída entre vários mineradores, permitindo ainda a lucratividade diária em dias de dificuldade favorável. A mineração de CPU para RVN é melhor realizada através de um pool de mineração. Os mineradores RVN usam a atividade para “empilhar sats”, pois as recompensas de moedas podem ser imediatamente alteradas para Bitcoin (BTC), usando assim a mineração de altcoin para adquirir mais BTC.

Protocolo Haven (XHV)

O Protocolo Haven (HXV) é um dos ativos anônimos mais conhecidos que ganhou destaque nos últimos dois anos. O projeto promete “uma conta bancária suíça no seu bolso” e segue o padrão de oferecer uma moeda minerada e anônima.

XHV também é uma moeda CryptoNight, usando o algoritmo abandonado por Monero. Os dados da rede variam e a lucratividade depende de outros mineradores e pools. Toda a rede produz cerca de 8,49 MH/s, comparável à mineração Ravencoin. Com processadores capazes dos 2,5 a 12 KH/s mencionados anteriormente, a lucratividade é possível, embora seja para um investimento significativo em hardware ou para o uso de componentes eletrônicos restantes.

O problema com o XHV é que a mineração desse protocolo é mais uma vez uma corrida contra os preços de mercado. O XHV é negociado no Bittrex e não é aberto a todos os públicos, o que representa um risco de baixa liquidez. Minerar XHV é uma aposta na valorização futura dos preços, embora o uso da energia da CPU para resolver um bloco possa levar a ganhar algumas das recompensas do bloco.

Webchain ​​(WEB)

O Webchain (WEB), renomeado para MintMe (MINTME), é um ativo bastante obscuro que oferece um hashrate geralmente baixo e uma chance de ganhar esses ativos extremamente voláteis e com pouca negociação. Com uma taxa de hash de 0,15 MH/s, e uma contagem de 148 mineiros, o MINTME oferece lucros pequenos e constantes como mais uma moeda CryptoNight.

A lucratividade dessa moeda vem do baixo número de mineradores e de apenas cinco pools. A moeda é quase passível de mineração solo, embora o pool de mineração possa aumentar as recompensas.

Vender o MINTME pode ser um desafio, mas esse é um dos ativos em que a mineração pode ser usada para acumular moedas, o que aguardará um tempo melhor. O MINTME é um exemplo de ativo com um hashrate relativamente baixo, onde a configuração de CPUs pode trazer ganhos inesperados, especialmente no final da linha.

O MINTME está a preços baixíssimos em torno de US $ 0,00003, com flutuações selvagens de altos e baixos. A mineração dessa moeda pode transformar rapidamente o cálculo no vermelho. No entanto, configurar máquinas mais antigas e usar sua capacidade ociosa pode gerar resultados moderados.

A mineração em CPU ainda é relevante em 2020

A mineração de CPU ainda não está desatualizada, embora seja provável que 99% de todos os projetos não levem a ganhos positivos. Uma fonte potencial de renda pode vir de moedas novas em seus estágios iniciais, antes que máquinas mais poderosas sejam apontadas para a rede.

Esse tipo de mineração, no entanto, é extremamente especulativo hoje em dia, pois poucos ativos novos decolam de preço.

Mas se a mineração continuar por um tempo, torna-se um custo irrecuperável relativamente pequeno em troca de ganhos futuros. Apesar do XMR ter afundado depois de mudar seu algoritmo de mineração, ainda é possível experimentar a mineração durante um período mais favorável. Se os mineradores desistirem, isso significa que as moedas podem ser adquiridas a um hashrate mais baixo e a um preço mais baixo.

“Isso não é político, mas é para responder à uma pergunta que meu amigo me fez. Então aqui está mineração em CPU É RENTÁVEL SE USADA DA MANEIRA CERTA COMO UM ATIVO.”

A mineração também é melhor realizada em pools relativamente conhecidos. Dependendo do software de mineração, a lucratividade também varia. No passado, veio à luz que alguns programas de mineração sequestraram parte do hashrate e não pagaram tanto quanto o esperado. O malware também pode ser ocultado nos programas de mineração, portanto, é melhor estar ciente dos riscos.

No final, a mineração está sobrecarregando os eletrônicos de consumo e, embora as CPUs possam funcionar em plena capacidade por um tempo relativamente longo, no final, a mineração gasta eletrônicos e leva ao superaquecimento. Mas, à medida que a mensagem do poder das criptomoedas se espalha, é sempre possível que haja projetos com o objetivo de repetir a experiência inicial da produção de Bitcoin (BTC).

Leia também: Polícia chinesa apreende quase 7 mil equipamentos de mineração que roubavam eletricidade

Forex Crypto News: Cripto Facil

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *