Bitcoin foi menos impactado por coronavírus do que grandes bolsas, afirma especialista

Bitcoin foi menos impactado por coronavírus do que grandes bolsas, afirma especialista

É de conhecimento geral que a crise econômica gerada pela pandemia do coronavírus afetou, praticamente, todos os ativos.

No entanto, embora também tenha derrubado o preço do Bitcoin em março, o ativo conseguiu se recuperar. Por isso, para Daniel Coquieri, COO e cofundador da corretora especializada no mercado brasileiro de criptomoedas, BitcoinTrade, a pandemia impactou menos o Bitcoin que grandes bolsas do mundo.

Assim, em um artigo publicado nesta quarta-feira, dia 1º de junho, na coluna de política do Estadão, Coquieri explica o impacto da pandemia na criptomoeda mais popular do mercado.

A corrida dos criptoativos diante da pandemia

Intitulada “A corrida dos criptoativos diante da pandemia”, a matéria do fundador da BitcoinTrade explica que, por conta da Covid-19, o consumo mundial está sendo revisto.

Além disso, segundo Coquieri, os investimentos estão com alta volatilidade e o término desse “turbilhão” não está nem perto de chegar.

No artigo, Coquieri relembra que, em março, quando a quarentena começou para a maior parte dos países, o que se viu foi uma corrida dos investidores para retirar sua aplicações. Com a ação, os investidores tinham o objetivo de obter moeda fiduciária para eventuais emergências.

Esse movimento fez com que a Bolsa e os ativos em todo o mundo despencassem e com as criptomoedas não foi diferente.

Para exemplificar, Coquieri citou a queda brusca do preço do Bitcoin no primeiro trimestre, quando ativo despencou de pouco mais de U$ 10.500, em fevereiro, para U$ 3.850,00 em março.

Segundo ele, havia uma expectativa que o ativo passasse a ser visto como reserva de valor diante de uma eventual crise global. No entanto, as criptomoedas acompanharam a queda de todo o mercado financeiro por conta do pânico que se estabeleceu.

“Na minha visão, isso ocorreu por conta do aumento das incertezas. Num cenário como esse, o investidor não consegue calcular com precisão quais serão os reais impactos da crise sanitária”, pontuou Coquieiri.

Impacto menor sobre o Bitcoin

De toda forma, conforme afirmou, o mercado de criptomoedas está performando acima dos demais. Isto é, o impacto foi menor do que nas grandes Bolsas do mundo.

Além disso, a impressão de dinheiro para injetar liquidez na economia e a redução de juros para “baratear” o dinheiro e tornar as linhas de crédito mais acessíveis, reduzindo as cargas tributárias, resultará em altas taxas de inflação.

Segundo Coquieri esses reflexos não serão sentidos agora, mas sim quando a economia voltar a girar

“A economia mundial sentirá os efeitos perversos das altas taxas de inflação e também do elevado grau de endividamento dos países, financiado pela impressão de dinheiro”, ressaltou.

Assim, levando todo esse cenário em consideração, o COO da BitcoinTrade prevê uma provável valorização do Bitcoin daqui para frente. Essa alta será resultado tanta da inflação quanto da redução na emissão de Bitcoin programa pelo protocolo.

Leia também: Bitcoin lidera no Brasil como melhor investimento do primeiro semestre

Leia também: A próxima alta do Bitcoin pode ser igual à alta histórica de 2017

Leia também: Forbes: Bitcoin é a separação entre dinheiro e estado

Forex Crypto News: Cripto Facil